sábado, 9 de maio de 2015

Sobre a escolha de ser mãe em tempo integral...

Um dia encontrei uma amiga de infância, que não via há algum tempo. Passados minutos de conversa, ela me disse assim: "Nossa Elza, como você consegue ficar em casa todos os dias? Eu morreria!"
Passados uns segundos para, digamos, me "recompor", por incrível que pareça eu não fiquei brava com ela. Veja bem, esta é uma amiga de infância, nós crescemos juntas, conheço a personalidade dela, sei que ela é uma pessoa falante, extrovertida, gosta de estar entre pessoas, conversar e ela não gosta nenhum pouco de tarefas de casa. "Ficar em casa", para ela a levaria a depressão! Pois bem, como eu a entendo, eu não á julgo. Mas certamente, ela não me entende da mesma maneira. Nem todo mundo tem a capacidade de se colocar no lugar do outro.

Quem escolhe ser mãe em tempo integral, encontra muitos preconceitos. De tempos em tempos aparece alguém, amigo ou não, parente ou não, te julgando, julgando as suas escolhas, não tem escapatória. Uns sentem pena, relacionam a nossa condição de "coitada", por não ganharmos o nosso próprio dinheiro. Outros, mais entusiasmados, pensam que nos tornamos "madames". Porém, muitas de nós, não estamos em nenhuma dessas categorias.

Ás vezes me incomoda o fato das pessoas acharem que mães que ficam em casa, não fazem nada o dia inteiro, ah, se isso fosse verdade! Nós fazemos sim e ás vezes fazemos demais. O nosso trabalho também está sendo feito. E convenhamos, que somos nós que ficamos com os trabalhos mais chatos, o de lavar cuecas e o vaso do banheiro, por exemplo, rs. Sou eu quem levo e busco os meninos na escola, na natação, sou eu quem estou deixando branquinho aquele uniforme escolar que chega todos os dias "marrom", porque não, ele não aparece magicamente branquinho (e passado!) de novo na gaveta. O meu trabalho é garantir o conforto de uma comida caseira, gostosa e quentinha quando todo mundo chega. Sou eu quem passeia com o cachorro, sou eu quem corre até o mercado comprar o que faltou, sou eu quem me sento com os meus filhos para fazer lição de casa (ok, nessa o Pai também ajuda, rs), sou eu quem fico na fila do banco para pagar aquela conta que atrasou, sou eu quem os leva ao médico, sou eu quem responde dúvidas importantíssimas que surgem no meio do dia, por exemplo, "Mãe, como soletra moderação?", sou eu quem aparto as brigas, consolo, enxugo lágrimas, sou eu quem faz a pipoca para acompanhar o filme, enfim, sou eu quem estou sempre aqui.

Também cumpro horários e os levo á sério, tem a hora de começar a fazer o almoço, de colocar no banho, de sair de casa, de dormir, de dar sermão... me sinto quase um general.

Mas, por outro lado, me dou o "direito" de numa tarde chuvosa, fazer um bolo e deitar no sofá para ver aquele filme que eu queria assistir á muito tempo. Posso fazer um artesanato, posso passar horas sozinha no computador vendo as redes sociais, notícias, séries favoritas, sem ser interrompida. Posso ter um momento só meu, ir fazer as unhas, encontrar uma amiga, comprar uma roupa. Por que não? Eu estou no controle do roteiro dos meus dias!

Sendo assim, para mim, Elza... ficar fechada por 8 horas ou mais, no mesmo lugar, todos os dias da semana, imaginando tudo o que eu poderia estar fazendo lá fora, aí sim... eu que morreria!

Daí vem a importância de respeitar as escolhas dos outros, pois nem sempre o que funciona para a vida de uns, funcionaria na vida de outros. Somos todos diferentes, em muitos sentidos. Está aí o fascínio. E cada um deve buscar a sua própria felicidade. Eu não me imaginaria trabalhando entre quatro paredes hoje, na verdade eu seria bem infeliz, eu acho. Há não ser que fosse preciso, que algo mudasse bruscamente na minha vida, aí o cenário seria outro.

Mesmo com sacrifícios, na maioria financeiros, desafios, julgamentos... a minha escolha é inabalável, pois assim é tudo aquilo que a gente faz com certeza. Eu tenho certeza da minha escolha. Foi por ela que não perdi nenhum momento se quer da infância dos meus filhos até agora. Eu estive lá em todos os momentos e isso, salário nenhum no final do mês pagaria.

Compreendo que nem todas as mulheres podem fazer isso, estar do lado de cá, assim como muitas mulheres escolhem o trabalho porque não se sentem bem estando em casa. Não se deve ter julgamento de nenhum dos lados. Acho que tem espaço para todos nesse mundo, o papel de mãe pode ser bem desempenhado em diferentes situações e todos os trabalhos, sejam eles em casa ou fora de casa, tem o seu valor 

Essa é a vida que funciona pra mim! Eu Elza, faço dar certo, me livro de vaidades e de opiniões alheias. Não se trata de submissão ou Síndrome de Amélia, nada disso, somos uma equipe aqui em casa, cada um faz a sua parte, ninguém constrói nada sozinho. Também me estresso, grito, me sinto cansada e perco o controle muitas vezes. Mas nem assim, penso em fazer diferente. Se vai ser assim para sempre, ainda não sei, mas nesse momento da minha vida, sou agradecida por ter condições de fazer aquilo que sempre quis fazer e fazer agora. Sou mãe com muito prazer, não só mãe, mas isso é a maior parte de mim nesse momento!!!


Um Feliz Dia das Mães para todas nós!!!

Bjs


25 comentários:

  1. Elza, como assim? Você descreveu a minha vida de mãe, como dizem ¨você não trabalha? ¨ . Sempre respondo, trabalho na empresa MÃES DE SUCESSO, estou feliz nessa função, talvez mude, não sei, a vida que sabe, estou feliz, isso é o que importa para mim. Surto de vez em quando como todas pessoas, em qualquer trabalho,porque como mãe integral, desenvolve várias habilidades ¨mãetorista, psicomãe, pediamãe¨ e assim vai. Sua foto está linda!!! Vejo que desenvolve seu trabalho muito bem, está no olhar de seus filhos. Feliz dia das mães, que Deus te abençoe, nessa jornada gostosa de ter uma família. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Elza,me vi em suas palavras,pois só mãe em tempo integral,e amo que faço e sou criticada por isso, e as vezes sou chamada de preguiçosa,pois sou formanda em pedagogia,e depois que minha segunda filha nasceu,desisti de tudo para cuidar dela e da minha casa.
    Feliz Dias das Mães!
    Parabéns pela coragem de escolher ser mãe em tempo integral.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Que texto bonito, também fiz essa escolha, deixei carreira para lá e decidi criar minhas duas filhas assim, bem de perto. E mesmo com o aperto financeiro que aparece, com o olhar crítico de muitas pessoas não me arrependo, sei que por agora é o certo para minha vida e a vida das minhas filhas.
    Te desejo um dia das mães abençoado :)

    ResponderExcluir
  4. Feliz dia das mães, voce parece ser uma mãe maravilhosa ( não perfeita) pois isso não existe, mas uma mãe que vai deixar nos seus filhos saudades de uma infância linda com sabor de quero mais e isso realmente não tem dinheiro que pague. Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Que texto lindo! Eu não só respeito mas admiro suas escolhas! Na gravidez dos gêmeos eu fiquei de repouso e depois mais um tempo quando eles nasceram. Um total de 1 ano e meio sem trabalhar. Te confesso que fui muito feliz, principalmente depois que eles nasceram que eu pude cuidar da minha família. Tinha meu tempo com eles, com elas e foi muito bom. Minha casa era sempre arrumada, comidinha fresquinha na mesa e eu fui FELIZ. Infelizmente tive que voltar a trabalhar. No começo foi difícil e chorei várias vezes, mas agora já me acostumei e voltei a gostar do que faço. Mas a vontade de ter tempo para cuidar direito dos meus não passa. Admiro do fundo do coração quem tem a coragem de enfrentar a rotina de cuidar da família, administrar a casa (trabalho que não acaba!) e os comentários idiotas de quem no mínimo sente uma inveja velada. Seja feliz! Feliz dia das mães!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Olá Elza, belo texto... precisamos dizr que também adoramos o seu feeling de fotografia! Parabéns pelo blog, sempre passamos aqui e agora resolvemos montar um blog pra nós! Bom findi...

    umacasacomamor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Que lindo Elza!!!Eu também escolhi ser mãe em tempo integral, posso dizer que foi a melhor escolha que fiz,não me arrependo em estar em casa cuidando dos meus filhos, marido é do meu lar. Sou feliz assim desse jeitinho é não mudaria nada amo minha família!!!Te admiro muito!!! Feliz dia das mães 💐 😘

    ResponderExcluir
  8. Elzinha que lindo texto ❤
    Me vi tbm junto de você aqui eu concordo com tudo e respeito a decisão de cada um, eu amo cuidar em tempo integral ❤❤❤
    Eu sou muito Feliz nesta condição de Administradora do Lar em tempo integral kkkkkkk

    É muito gratificante p mim tem hora que a gente cansa e se sente esgotada mas, ai vem mãe EU TE AMO ai ❤❤❤❤ á viu tudo passa......
    Um Feliz dia da Mães para você ! E um forte abraço :D

    bjs

    Dri :D

    ResponderExcluir
  9. Oi Elza, obrigada por este texto tão feito de coração! Você disse tudo o que eu sinto. Também passo pelo mesmo drama, de muitos me olharem até com indiferença, outros dizem que não sei usar meus talentos! Sou tão feliz cuidando da minha familia, do meu lar. Deus te abençoe e continue assim fazendo o seu melhor pra sua família!
    Quando você puder venha visitar o meu blog, ficarei muito feliz ! Paz e Bem!
    Nice Sestari
    http://qualismatertalisfilius.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Elzinha, que lindo texto...
    Sinceramente lendo isso parei um pouco e olhei para mim, aqui nessa sala, fechada entre quatro paredes, e com minha pequena na escola, ah como eu queria poder passar todas as horas do dia com ela, mas como você mesma disse nem todas nós podemos, e sinceramente como eu queria ser Mãe em tempo integral, mais as condições ainda não dá, e fico as vezes um pouco triste por isso, mas para compensar isso tento passar o máximo de tempo com ela, aproveitando cada minuto, cada segundo, cada sorriso...

    bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi Elza,
    O post está lindo, parabéns! Para mim, esta posição não serviria. Até tentei durante um curto período da minha vida,mas venho de uma família que as mulheres sempre trabalharam fora. Minha avó já era formada e dava aulas. Minha mãe era médica. Minha tia era engenheira. Eu nunca tive este insight de ficar em casa, mas tentei, só que não deu!
    Tenho uma amiga que escolheu ser mãe em tempo integral, mas só ela, que por sinal é minha comadre, as demais todas trabalham.
    Cada um sabe de si e o que é melhor para os seus. No seu caso, acho que vc tomou um decisão consciente e portanto está certa.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Oi Elza !
    Vim desejar uma linda semana :)
    E agradecer a visita no meu cantinho ❤
    bjs

    Dri :D

    ResponderExcluir
  13. Ow minha amiga, me emocionei muito com esse post. Pois Deus sabe o quanto eu gostaria de ficar em casa cuidando da minha Alice.
    Lindas palavras.

    ResponderExcluir
  14. Que lindo Elzinha! Linda foto também viu.
    Olha me vi muito no seu relato. E concordo com o que disse, se a proposta fosse irrecusável para trabalhar fora até valeria a pena, no mais... acho que ainda assim estou economizando ficando em casa, pois fazemos muita coisa para poupar o dinheiro, q no caso, se trabalhássemos fora teríamos q estar pagando alguém para fazer tudo isso por nós.

    ResponderExcluir
  15. Oi Elza,
    pra mim você é uma pessoa privilegiada. Eu te entendo e sei exatamente o que sente, pois penso como você. Nós somos aquele tipo de mulher que se sente feliz cuidando da casa e da família. Como eu queria ter tempo pra bater um bolo às 4 da tarde e preparar um cafezinho depois de arrumar a cozinha do almoço.
    Eu queria ter mais tempo pra ficar com meus filhos, vê-los crescendo, isso não tem preço.
    Respeito a escolha de cada um, mas eu queria mesmo era cuidar da minha casa e da minha família. Mas preciso trabalhar.

    ResponderExcluir
  16. Querida pode parecer pouco, mas não tem salário que pague toda essa dedicação,
    quantas vezes cheguei da escola e minha mãe não estava, isso me deixava muito triste.marciaalfaia/Facebook

    ResponderExcluir
  17. Elza queria, me encanto com a sua delicadeza, com a sutileza que você fala dos assuntos.. eu fui criada por uma mãe que optou por ficar em casa também e isso é a melhor coisa do mundo para os filhos, tenho um laço, uma ligação com a minha mãe que vai alem de amor, pois sempre e pra tudo ela esteve ali.. mesmo quando a gente brigava mas eu sabia que ela estava ali pra cuidar apoiar e ajudar... penso como você, o julgamento que as pessoas fazem para tudo é tão irrelevante, devemos fazer o que nos faz feliz!! Parabéns pelo dia das mães!!

    ResponderExcluir
  18. Olá Elza:

    Não entendo as pessoas que criticam as escolhas alheias. Cada um sabe da sua casa, rotina, vida...
    Quanto a mim: acho que nasci para ser dona de casa e mãe. Adorooooooo tudo relacionado a isso, mas não posso economicamente fazer essa opção ( faria sem pestanejar se pudesse).

    Estive toda a minha gravidez de cama, e depois aproveitei bem a licença maternidade. Mais de uma ano em casa e não me senti aprisionada.

    No momento tento ser a super-mulher: sou pediatra, com uns horários muito estranhos, mas cuido da minha casinha, acompanho de perto minha filhota, testo receitas novas, faço algum artesanato... Mas meu dia só tem 24 horas.... o que acaba ficando para trás? Eu! Ainda não arranjei tempo para voltar à minha hidroginástica, mas estou em malabarismos de agenda para conseguir.

    Acabo fazendo tudo, mas a uma velocidade menor... e, muitas vezes, o receio de não dar conta, tira-me o sono tranquilo.

    Temos que ser felizes com as nossas escolhas, e ninguém de fora do nosso lar pode avaliar isso.

    Parabéns pela luz que transmite...
    Beijinhos de Portugal
    Sonia
    www.minhacasinhaeassim.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  19. Olá Elza.Eu também fiquei em casa cuidando do meu filho por um bom tempo,ainda mais que ele nasceu com um problema na coordenação motora e tinha que fazer fisioterapia,natação fono...Não me arrependo em nenhum momento de ter escolhido ficar em casa para cuidar dele.Você está certissima.Seja feliz vivendo esses momentos com a sua familia.

    ResponderExcluir
  20. Lindo texto Elza!
    Ainda não sou mãe, mas com certeza se pudesse escolher por ser mãe em tempo integral eu escolheria! Infelizmente, na atual situação esse sonho não será possível. Mas quem sabe as coisas não me melhoram e eu possa fazer minha escolha?
    Bjus

    ResponderExcluir
  21. Que lindo, Elza! Me emocionei com o teu texto! Isto que não sou mãe, imagina se fosse... concordo com tudo o que disseste, quer dizer, escreveste. Que mania de julgar que as pessoas têm, né? Não sou mãe de crianças mas tenho a bicharada para cuidar e assim como tu, a vida de nutricionista num consultório me colocou para baixo, fez com que eu me demitisse e sem conseguir outro emprego, fui ficando em casa e cuidando dos bichos, que só aumentavam. Graças a Deus tive meus pais e minha irmã para me apoiar e segurar as ponta$ para mim. Na verdade, tudo se encaixou porque eu dei apoio para minha irmã com meus sobrinhos, eu quem levava e buscava eles na escolinha, natação, cuidava deles quando não tinha mais ninguém. E aí, veio o Leonardo, que tem um estilo de vida diferente, que encaixou com o meu. Como diz minha comadre, eu não tenho emprego mas trabalho pra caramba! Além de adorar o teu blog, a tua delicadeza e romantismo (que em mim estão escondidas, guardadas numa gaveta que pouco se abre em mim), cada vez mais tenho motivos para acompanhar teu blog e te admirar, pois teus textos são lindos e apesar de termos estilos diferentes, cada vez vejo mais sinto que temos ideias e princípios parecidos. Grande bjinho! E bom trabalho!

    ResponderExcluir
  22. Texto Perfeito!!!
    O problema é que hoje em dia a maioria das pessoas não se colocam no lugar do outro, tudo querem criticar... As pessoas tem que entender que o ser humano é diferente um do outro, tem vidas diferentes, opiniões e necessidades diferentes.
    Hoje eu sou solteira, trabalho fora... Mas, futuramente pretendo trabalhar em casa, fazendo algo que gosto, no meu tempo, com a minha rotina e meus horários. Cada um tem que ir em busca daquilo que os deixa feliz.
    Elza, adoro seus textos, adoro seu blog e sempre que posso venho te visitar. Continue fazendo aquilo que te faz bem. beijos

    ResponderExcluir
  23. Bom dia!!! Lindo seu depoimento...Você relatou com propriedade a sua escolha que também é minha.
    Bjs, Alê

    ResponderExcluir